segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Sonho

Hoje não te resisti.
Só estavamos nós. Sozinhas. Na tua casa. No teu quarto.
Num gesto inocente, toco-te no rosto. Tu olhas para mim mas não dizes nada. O nosso olhar prende-se. Não resisto aos teus lábios e arrisco. Dei-te um beijo calmo e meigo. O toque dos teus lábios fez-me ficar quente até à alma. Sentir a tua língua na minha arrepiou-me. Começo a tocar-te com cuidado e o teu beijo torna-se mais ardente de segundo para segundo. Sinto que tenho permissão. Levo a minha mão dentro da tua t-shirt branca. As minhas mãos estremecem. O calor do teu corpo é irresistível. Com medo, levo as mãos à parte de trás do soutien e, num so movimento, desaperto-o. Tu olhas-me nos olhos e o meu coração dispara. Fico com medo. Aproximas as tuas mãos e tiras-me a t-shirt. O meu coração bate ainda mais depressa.
Sinto-me exposta. Encostas-te a mim e acaricias as minhas costas com movimentos meigos. Fazes-me tremer. Levo-te até à cama e deito-me ao teu lado. Desaperto-te o botão das calças e tiro-tas, depois de beijar-te a barriga. Tu olhas-me com o teu olhar provocador e entregas-te a mim. O teu ar de deusa dá-me vontade de dar-te o prazer digno do que és. Os nossos corpos entrelaçados fundem-se num só e o calor que se faz sentir aquece-me o coração. Há muito tempo que sonhava com isto. Ficamos horas a contemplar o que há de melhor em cada uma. Toda tu és perfeita. Em cada gesto teu, eu sentia um arrepio que me percorria de cima a baixo. Quero mais. Os nossos corpos apaixonados unem-se. Eu experimento tudo em ti. Busco a melhor forma de te satisfazer. E dá-me gozo olhar-te nos olhos enquanto te dou prazer. Beijo-te com paixão consumindo um desejo sem fim. Depois do prazer, mimo a tua barriga num gesto meigo. Dou-te a mão.
Não é um sonho. É o sonho. Amo-te.

1 comentário:

Sara Grilo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.